Chapada dos Guimarães: um lugar especial no Brasil

chapada dos guimaraes
Pôr do sol na Chapada foto: Camila Castanheira

Ahhhh a Chapada! Distante apenas uma hora da capital do Mato Grosso, Cuiabá, o parque nacional da Chapada dos Guimarães é daqueles lugares perfeitos para recarregar as energias em conexão com a natureza. “Lavei minha alma neste lugar”!

O parque da Chapada dos Guimarães possui boa estrutura, com alguns restaurantes e pousadas charmosas que devem ser reservadas com o máximo de antecedência pois lota muito rápido, principalmente em feriados. A estrada para a região é praticamente em linha reta e a viagem entre Cuiabá é muito tranquila.

Descobrir a Chapada dos Guimarães é se encontrar com um Brasil ainda pouco conhecido. Animais raros, espécies da flora nativa, montanhas, paredões, grutas, cachoeiras e um céu azul durante o dia e vermelho no entardecer (SURREAL) – um verdadeiro santuário que merece ser visitado com calma.

chapada dos guimaraes
No meio do cerrado mato-grossense Foto: Camila Castanheira

Um pouco mais sobre a Chapada dos Guimarães

A cidade de Chapada dos Guimarães foi fundada em 1750 e se destacou pela produção de aguardente nos séculos XVIII e XIX. Logo depois da Guerra do Paraguai, o vilarejo sofreu com diversas epidemias, que acabaram por reduzir drasticamente sua população. Este é um dos motivos para que a natureza ao redor esteja ainda tão bem preservada.

E olha esta curiosidade, o município de Chapada dos Guimarães, no passado, já foi o maior do MUNDO em extensão. Atualmente a região foi desmembrada em outras cidades, mas ainda assim o território natural é muito grandioso. A cidade tem diversos pontos turísticos, resumindo-se num verdadeiro complexo natural. São nada menos que 46 sítios arqueológicos catalogados; 59 nascentes; 487 cachoeiras – tudo isso em mais de 3 mil km² de parque nacional. Só os paredões somam 157 km. São cerca de 40 espécies endêmicas, ou seja, que existem apenas lá.

Além o incrível patrimônio natural, Chapada dos Guimarães ainda possui 42 imóveis históricos tombados pelo Iphan. Certamente uma visita só não será suficiente para conhecer tudo o que a região tem para oferecer. Eu fui uma vez e já quero voltar muitas outras!

Curiosidade: O parque faz parte da bacia do Rio Paraguai e sua proteção é fundamental para a manutenção do rio Cuiabá, um dos mais importantes da região do Pantanal mato-grossense.

chapada dos guimaraes
Mais uma vista sensacional da nossa Chapada

Principais atrações da Chapada dos Guimarães

Antes de visitar a região é importante saber que o clima é tropical, faz bastante calor no verão (MUITO CALOR), mas durante a noite a temperatura pode cair. De dezembro a março a região tem maior incidência de chuvas e o cuidado com as cheias nas cachoeiras deve ser redobrado. Neste período as quedas d’água costumam ficar mais volumosas, mas a água também se torna mais turva.

De julho a outubro é a época de seca, período em que algumas cachoeiras perdem seu volume e há maior incidência de queimadas. O ideal é sempre conferir a previsão do tempo e se organizar para o passeio.

Por questões de segurança, a maioria das atrações naturais do parque só podem ser visitadas com a presença de um guia credenciado. Neste link e neste é possível obter o contato de diversos profissionais qualificados e que conhecem a região como a palma da mão.

Na cidade de Chapada dos Guimarães é possível ainda contatar diversas agências que realizam passeios diários. Tem para todos os gostos e bolsos. Você encontrará trilhas leves, ideais para fazer em família, passeios moderados ou trilhas avançadas – estas últimas devem ser realizadas apenas por pessoas com experiência em trekking.  

É importante lembrar que algumas atrações só podem ser acessadas com veículos 4×4. Desta forma, várias agências disponibilizam o aluguel de jipes e pick-ups. É altamente recomendado só fazer esses passeios com motoristas especializados e que conheças as trilhas.

Mirante da Cachoeira Véu da Noiva

Ponto mais famoso do parque, a cachoeira do Véu de Noiva conta com 86 metros de queda livre sobre um incrível paredão de arenito. O mirante fica bem na entrada do parque, onde é possível estacionar e admirar a paisagem sem pressa. A região é conhecida pelos ninhos de araras e não é raro assistir a uma revoada.

O acesso ao mirante é gratuito e pode ser feito através de uma pequena trilha. A estrutura é boa, com grades de proteção e sinalização. Há uma plataforma bacana para fazer aquela foto panorâmica.

chapada dos guimaraes
Cachoeira Véiu de Noiva Foto: Camila Castanheira

Cachoeira dos Namorados e Cachoeirinha

Pouco mais de 1 quilômetro da entrada do parque ficam as duas cachoeiras de mais fácil acesso da Chapada dos Guimarães. Ambas possuem ótima condição para banho e ficam em meio a mata nativa. A trilha é moderada e bem sinalizada.

Na cachoeira dos Namorados você encontrará poço raso, ideal para quem não tem experiência com trilhas ou para crianças. Já a Cachoeirinha é conhecida por sua bancada de areia, perfeita para se sentar e apreciar o visual.

Mirante Morro dos Ventos

Outro ponto imperdível do parque da Chapada dos Guimarães, este mirante possui ótima vista para os cânions e para a reserva natural. Evite visitar o local em dias nublados, para não perder o espetáculo da vista. Em dias de clima seco o horizonte parece maior e mais nítido. Simplesmente imperdível.

Não deixe também de visitar o restaurante que fica próximo, um dos mais procurados na região. É bom lembrar que o acesso é cobrado (20 reais), mas acredite, a vista e o vento no rosto valem o ingresso.

Vale do Rio Claro

Este vale exigirá mais tempo e disposição para ser conhecido. O passeio completo deverá contar com a presença de um guia credenciado, mas vai por mim, esta será uma das melhores paisagens que você verá na região. O trajeto é realizado tradicionalmente em veículos com tração 4×4 por estradas de terra através da mata. São 3 trilhas principais que passam por cachoeiras de águas cristalinas e diversos paredões.

Se você for aventureiro e acostumado a fazer trilhas, saiba que o trajeto pode ser feito todo a pé. São cerca de 12 quilômetros de caminhada. Alguns pontos são bem íngremes. Só encare o desafio de estiver realmente preparado.  

Há paradas através de todo o trajeto, principalmente nos poços naturais, perfeitos para tomar um banho. Na maioria deles há aquários naturais e dá para nadar com os peixinhos. Depois de uma pequena subida chega-se até o mirante da Crista do Galo, outro cartão postal da Chapada dos Guimarães. As formações rochosas são muito peculiares e você verá no horizonte toda a grandeza do parque.

Curiosidade: durante muito tempo acreditou-se que o centro geográfico da América do Sul ficasse na cidade de Cuiabá, local onde foi construído um obelisco de mármore demarcando o lugar. Porém, novos estudos comprovaram que o coração do nosso continente está mesmo localizado na Chapada dos Guimarães, no Mirante de Geodésia.

Cidade de Pedra

A Cidade de Pedra é outra grande atração da Chapada dos Guimarães. São diversas formações rochosas com paredões e picos que lembram as ruinas de uma cidade antiga. Algumas esculturas possuem mais de 300 metros de altura e desafiam a gravidade. As formas das rochas são resultado da ação do vento e da chuva ao longo de milhares de anos.  

Nesta região existem diversas nascentes e de acordo com o ponto você irá ouvir o som dos ribeirões da Mutuca e do Rio Claro. Para conhecer o lugar é preciso caminhar um pouco, mas desde que o clima esteja favorável, não é uma trilha pesada.

Fique atento: a visitação precisa ser agendada e só pode ser realizada com a presença de um guia credenciado. A Cidade da Pedra fica aberta das 9 às 16. O ideal é chegar cedo para aproveitar o passeio.

chapada dos guimaraes
Os paredões de arenito da Chapada Foto: Camila Castanheira

Circuito das Cachoeiras

Diversas agências fornecem este passeio, que pode ser leve ou mais intenso de acordo com o seu perfil. A grande vantagem é que dá para conhecer várias cachoeiras incríveis num só dia. Se o clima estiver quente, é o passeio perfeito para se refrescar e admirar a natureza.

O passeio geralmente começa no Mirante da Cachoeira do Véu da Noiva, incluindo uma parte de trekking moderado. O trajeto depende do guia, mas sempre inclui as cachoeiras da Martinha e das Andorinhas, dois ótimos lugares para banho e contemplação. De acordo com o seu tempo e disposição poderão ser visitadas até 7 quedas d’água.

Para curtir essa visita, não se esqueça de calçados confortáveis, água, protetor solar e um lanche. O roteiro termina num dos restaurantes do parque, mas com certeza a fome pode bater antes.

Preste atenção: toda a região onde está situada a Chapada dos Guimarães já foi mar há milhões de anos atrás. É possível encontrar diversas formações rochosas compostas por conchas fossilizadas.

chapada dos guimarães
Sentindo a natureza foto: Camila Castanheira

Outras dicas da Chapada dos Guimarães

O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães não possui alojamentos nem permite a prática de camping, portanto, para se hospedar será preciso ficar na cidade de Chapada ou mesmo em Cuiabá.

O Malai Manso Resort é o mais requintado resort da região e um dos poucos com 5 estrelas. A estrutura é perfeita, com campo de golfe e diversas piscinas integradas a uma praia de água doce. Se você prefere privacidade e muito conforto, o A Pousada do Parque, que faz parte dos roteiros de charme, combina lindas paisagens com conforto. Super indico! Outra pousada que tem uma proposta super bacana de montanha é o Bosque da Neblina.

Agora se você deseja ficar em Cuiabá, como eu fiz, indico o Grand Odara, o hotel fica na melhor localização da cidade e tem super fácil acesso para a rodovia que leva para a Chapada dos Guimarães.

Quando o assunto é comer bem, a região não decepciona. O restaurante Atmã fica literalmente na borda de um paredão, com uma vista de tirar o fôlego. Possui excelente cardápio com influência internacional e espaço para eventos. Os restaurantes Penhasco e o Morro dos Ventos, também possuem bom cardápio e vistas privilegiadas.

chapada dos guimaraes onde ficar
Hotel Grand Odara onde fiquei Foto: Camila Castanheira

Não se esqueça ainda de trazer na mala calçados confortáveis, capa de chuva (o clima aqui pode virar em poucos minutos), protetor solar, repelentes, chapéus e bonés. Uma máquina fotográfica à prova d’água também faz muita diferença na hora de fotografar as cachoeiras e poços naturais. Para conhecer todo o parque com segurança, mantenha-se sempre hidratado e sempre leve um lanche leve com você.

Publicitária, paulista, pós graduada em Negócios e Empreendedorismo. Já fez intercâmbio para a Inglaterra, conhece mais de 30 países e 300 cidades em todo o mundo. É apaixonada por história da arte, música, dança e não dispensa jamais um bom café! No dia a dia aplica o que tem como lema: comunicar que o turismo, juntamente com a arte, tem o poder de transformar as pessoas e mudar o mundo.

Deixe seu comentário